quinta-feira, 30 de outubro de 2014

SOLENIDADE MILITAR MARCA O 17º ANIVERSÁRIO DA CIOSAC


Na manhã desta quarta-feira (29), a Companhia Independente de Operações e Sobrevivência na Área de Caatinga – CIOSAC comemorou seus 17 anos de atividade operacional em solenidade militar na sede da unidade, localizada no município de Custódia, Sertão de Pernambuco.
O evento homenageou as pessoas que fazem parte da história da companhia, em reconhecimento aos seus trabalhos em prol da segurança pública. Seguindo a programação, o comandante da CIOSAC, major Jamersom de Oliveira Lira, entregou uma placa ao coronel Antônio Menezes da Cruz, por haver idealizado a criação dos pelotões de caçadores, quando foi comandante geral da PMPE, em 1997. Assim como, ao coronel Vanildo Neves Maranhão Neto em reconhecimento, por haver formado as turmas iniciais do curso intensivo de Operações e Sobrevivência na Área de Caatinga que capacitou os militares que fundaram a CIOSAC.
Logo em seguida, houve o descerramento da placa em alusão aos pioneiros da unidade e, entrega das medalhas de tempo de serviço Policial Militar, concedidas pelo Governo do Estado de Pernambuco, atendendo a proposta do comandante geral da PMPE, coronel Carlos Pereira, conforme a legislação em vigor, por contarem mais de 30, 20 e 10 anos de efetivo serviço. Ao final, a tropa da CIOSAC prestou continência à bandeira nacional e pronunciou a oração do Guerreiro da Caatinga.    
Várias autoridades militares e civis prestigiaram a solenidade, entre elas estavam: o secretário de obras e urbanismo de Custódia, João Brito Rodrigues e representando o prefeito de Custódia, o secretário de Administração, Cristiano Dantas. Também esteve presente o juiz da comarca da cidade de Betânia, Gustavo Valença e o promotor de justiça Fabiano Beltrão.
HISTÓRIA CIOSAC
A companhia, especializada em ações de comandos na caatinga, começou a operar no sertão pernambucano em 23 de outubro de 1997. Logo em seguida ganhou o caráter de uma unidade operacional especializada da Polícia Militar de Pernambuco, quando, também passou a ter prédio próprio, instalando-se no município de Custódia, facilitando seu emprego nas áreas de atuação no estado de Pernambuco.
Hoje a CIOSAC atua com nove equipes, cobrindo todo interior pernambucano, sendo duas equipes no agreste e sete no sertão, contando com um efetivo de 215 policiais dentre oficiais e praças.

Fonte: PMPE notícias

Polícia Militar apreende mais de 500g de maconha em cadeia de Bezerros


A Polícia Militar apreendeu aproximadamente 530g de maconha nesta quinta-feira (30) dentro da Cadeia Pública de Bezerros, no Agreste de Pernambuco. De acordo com a PM, o efetivo recebeu a informação de que havia uma quantidade de entorpecente na unidade e quando chegou ao local encontrou a droga em cima da laje de uma das celas. A polícia informou que os detentos tinham acesso ao material por meio de um buraco.

Ainda segundo a PM, na laje de outra cela foram encontrados dois carregadores de celular. Todo o material apreendido foi levado para a Delegacia da Polícia Civil no município. Os responsáveis pela droga não foram identificados e a polícia também não sabe como o entorpecente entrou na cadeia.
Fonte:G1

'Operação Omni' prende suspeitos de fraude em benefícios previdenciários


A Polícia Federal (PF) em Pernambuco deflagrou na manhã desta quinta-feira (30) a "Operação Omni". A ação acontece em Caruaru, Garanhuns, Canhotinho, Bezerros, São Caetano, no Agreste; Tamandaré, no Litoral Sul; no Recife, além de Macéio (AL) e Tibau do Sul (RN). Inicialmente a PF informou que a operação estava sendo realizada apenas em Caruaru. De acordo com a assessoria de comunicação da PF, o objetivo é "desarticular uma organização criminosa suspeita de fraude em benefícios previdenciários através de inserções de dados falsos no sistema da previdência social".
Ainda segundo a assessoria, a operação visa dar cumprimento a 51 mandados judiciais. Desses, seis são de prisão preventiva, sete de prisão temporária e 38 de busca e apreensão. "A maioria das pessoas moram em cidades do Agreste. Estima-se que o prejuízo mensal aos cofres públicos seja de R$ 186 mil e até agora já totaliza R$ 12 milhões de reais", explica o departamento.

As pessoas detidas e os materiais apreendidos estão sendo levados para a delegacia da Polícia Federal na cidade. Uma coletiva de imprensa está prevista para esta quinta-feira para divulgar mais detalhes da operação.

Fonte: G1

quarta-feira, 29 de outubro de 2014

9° BATALHÃO DE POLÍCIA MILITAR COMEMORA MÊS DA CRIANÇA


Nesta manhã (29/10), policiais militares do 9º Batalhão de Polícia Militar em parceria com Lions Clube Garanhuns, comemoraram o mês das crianças. Uma manhã animada com muita festa e alegria. O evento foi abrilhantado pela presença de vários sócios do Lions Club que acompanhados do comandante do 9°BPM, Cel PM José Roberto Tenório Maranhão, recepcionaram a criançada do projeto “Patrulheiro Mirim” que possui como coordenador o patrulheiro Itálo Ragine. 
A festa contou também com a presença do palhaço Ventola que realizou várias brincadeiras com as crianças, além da distribuição de algodão doce e guloseimas. As crianças participaram de corrida de saco, rastejo e puderam aproveitar um parque infantil com cama elástica e piscina de bolinha, ambiente que transformou a área do Batalhão em um cenário de muita diversão.

PARABÉNS AO 9°BPM E AO LIONS CLUB PELA REALIZAÇÃO DESTE BELO EVENTO.


terça-feira, 28 de outubro de 2014

'Dormi até em cemitério', diz suspeito de mandar matar promotor em PE

O suspeito de mandar matar um promotor de Justiça de Itaíba, no Agreste de Pernambuco, em outubro do ano passado, se apresentou à Polícia Federal (PF), nesta terça-feira (28). O fazendeiro José Maria Pedro Rosendo Barbosa, 55 anos, estava foragido desde a época do crime e falou à imprensa que chegou a dormir em cemitérios para escapar da prisão.
José Maria chegou à sede da PF por volta das 18h, acompanhado pela esposa e por advogados. "Eu estou me apresentando espontaneamente. Isso era para ter acontecido bem antes, mas a Polícia Civil nunca quis me ouvir. O delegado da Polícia Federal [Alexandre Alves], na hora que chegou em Águas Belas, que procurou minha família, meus advogados, eu me dispus a me apresentar para contribuir com as investigações", disse.
A PF assumiu o caso em setembro passado, a pedido do Ministério Público Federal e por ordem do Superior Tribunal de Justiça. O delegado Alexandre Alves, que é de Brasília, assumiu o caso em caráter especial.
Na época do crime, ele tinha cabelos bem grisalhos e apareceu nesta terça com os fios pintados. A tintura estava sendo usada para dificultar a identificação. O suspeito não informou os locais onde esteve escondido nos últimos meses. "Eu estava na pior situação que vocês podem crer, não é fácil deixar a família e viver da maneira que vivi um ano, por causa da falta de interesse, de contribuição do estado. Cheguei a dormir várias vezes dentro de cemitério, dentro do mato e não tinha necessidade de nada disso, porque se o delegado [da Polícia Civil] tivesse mandado uma intimação, eu teria comparecido à delegacia. Nunca quiseram me ouvir", comentou.
José Maria Pedro Rosendo Barbosa também afirmou que votou no primeiro e segundo turno, o que indica que esteva em seu domicílio eleitoral, em Águas Belas, por duas vezes. A Polícia Federal informou, através de sua assessoria de imprensa, que não vai comentar esse fato, por enquanto. O fazendeiro alegou ainda que é inocente. "Eu vou ver o que vão me perguntar [no interrogatório], estou pronto para responder. Quero ouvir por que razão estou sendo acusado, porque nunca existiu motivo de eu praticar isso que estão me acusando. Eu nunca dei um bom dia [ao promotor], não conhecia ele", apontou.
O suspeito recebou voz de prisão na sede da PF em cumprimento a um mandado temporário, que tem validade de 30 dias, podendo ser renovado pelo mesmo período. Ele vai ser ouvido e depois seguirá para o Centro de Triagem (Cotel), em Abreu e Lima, na Região Metropolitana do Recife. Ele ficará em uma área reservada que já foi acertada entre a Polícia Federal e a Secretaria de Defesa Social. Como a investigação corre em segredo de Justiça, o teor do depoimento não será revelado.
'Mais protegido'
Pela manhã, o advogado do fazendeiro, Anderson Flexa, havia informado que José Maria tinha decidido depor porque se sente mais protegido depois que a Polícia Federal assumiu o caso, em setembro, a pedido do Ministério Público de Pernambuco (MPPE) e por ordem do Superior Tribunal de Justiça (STJ). “A Polícia Federal deixou bem claro que, em suas investigações, não vai descartar qualquer tese, qualquer linha de investigação. Isso para gente é confortante e é a certeza que nos passa que o depoimento de Zé Maria pode ser usado, agora, na tentativa de elucidação do caso”, explicou.
O crime aconteceu no dia 14 de outubro de 2013, na PE-300. Para a Polícia Civil, que iniciou a investigação do caso, foi o fazendeiro José Maria quem contratou o cunhado, Edmacy Ubirajara, para matar Thiago Faria. A motivação envolveria uma disputa pelas terras da Fazenda Nova. Ubirajara chegou a ser preso – passou dois meses no Centro de Triagem Professor Everardo Luna (Cotel), em Abreu e Lima, no Grande Recife. O advogado de defesa conseguiu que o acusado saísse da prisão para responder pelo homicídio em liberdade.
O promotor foi morto no Agreste, quando seguia de Águas Belas para Itaíba, cidade onde trabalhava. Quatro cartuchos de espingarda 12 foram encontrados no carro dele.  A noiva, Mysheva Martins, e o tio dela também estavam no veículo, mas não ficaram feridos. Segundo simulação ocorrida em 23 de dezembro, os três foram perseguidos por um carro. O homem que estava no banco de trás desse veículo atirou com uma espingarda 12, acertando o promotor. Mysheva saiu do carro do noivo e se protegeu no barranco; o tio dela também saiu do veículo e andou pelo acostamento. Os atiradores voltaram e o homem que estava atrás atirou outras três vezes, antes de deixar o local do crime. Mysheva e o tio escaparam ilesos.
A Polícia Civil afirma que José Maria encomendou o assassinato porque o promotor teria ajudado a noiva a comprar a sede da Fazenda Nova em um leilão da Justiça Federal. José Maria perdeu a posse e teve que sair dessa fazenda. Em entrevista exclusiva à TV Globo, na época, o fazendeiro negou o crime. O advogado dele, Anderson Flexa, garantiu que seu cliente irá para a prisão, se assim a Justiça decidir. "Ele está disposto a isso. A única exigência é que garantam a integridade física dele", concluiu.
Conflito
Em agosto deste ano, o Superior Tribunal de Justiça (STJ) determinou a imediata transferência de responsabilidades no caso do promotor para os órgãos federais. Para o ministro relator, Rogerio Schietti Cruz, é notório um conflito entre Polícia Civil e Ministério Público de Pernambuco (MPPE). A Polícia Federal já estava a par de alguns atos urgentes, depois de liminar, enquanto tal determinação não era decidida. O pedido de federalização foi feito pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot.
Para o STJ, "o crime estaria inserido no contexto de atuação de grupos de extermínio na área, conhecida como Triângulo da Pistolagem".
Reportagem: G1

segunda-feira, 27 de outubro de 2014

POLICIAIS MILITARES (9ºBPM) PRENDEM FUNCIONÁRIO PÚBLICO EM SÃO JOÃO



Policiais militares da 1ºCPM/9ºBPM, de serviço na cidade de São João, realizavam abordagens pela cidade, quando receberam informação de que havia um elemento suspeito na Rua Antônio Vilela, centro. Rapidamente, diante da informação, os policiais seguiram até o local indicado e lá conseguiram prender um funcionário público que encontrava-se armado com um revólver calibre .38 com 06 munições intactas. O acusado foi encaminhado à delegacia de polícia, onde foi autuado em flagrante delito pelo crime de porte ilegal de arma de fogo.
Parabéns ao efetivo do destacamento de São João pela prisão efetuada.